quinta-feira, 3 de junho de 2010

Desleal

Um animal da noite
Um ser pensante.
Um bicho de estimação,
Um cachorro mutante.

Sem sair do chão estou a voar,
Caminhando pela noite até a lua encontrar.
Tanto vejo, tanto ouço nesse meu passeio.
Tão triste, a miséria. Tão alegre, os amores.

Mas hoje pouco importa!

Sob um luzente raio de luar
Transformamo-nos em unidade.
Entre suspiros arfantes e doces fugimos...
Do mundo talvez...
Encontrados só os olhares.
Usufruindo o prazer provocado, satisfeita felicidade.
Pena que estou a delirar...

Você me traz a irrealidade.
Uma realidade
Desleal.