quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

As cartas que eu não mando

   Pessoa que amo,

    Não acredito que estou aqui, fazendo isso de novo, mas...
    Sabe, Platão dizia que qualquer homem vira poeta quando está amando. Parece algo tão simples... mas não é! O que realmente estava sendo dito era que no momento de amor, paixão ou até amizade vivemos. Vivemos intensamente com amor, ódio, angústia, devaneios, sonhos, culpas, medos e esperanças.
    Lembra de nossas conversas? Ah, como eu desejo que aquilo não tivesse acabado. E em tão pouco tempo já estava encantado pela magia... pela sua magia.
    Já não sei dizer quem sou. Em nossas conversas fui tantas pessoas, tantas criaturas. Mas o mais importante é que não importava quem ou o que eu era: eu estava feliz. Feliz como ninguém no mundo. O mais feliz do mundo.
    Até hoje não acredito e não compreendo como me apaixonei tão rápido e tão intensamente por você, afinal, foram poucos dias e ouso afirmar que pouco nos conhecemos.
    Mas uma outra magia aconteceu. No seu aniversário, sentando ali em frente, eu não podia deixar de te observar. Sua felicidade, seus cabelos, seus olhos. E também como você me lembra a noite, como você é um mistério que eu adoraria desvendar, como me perco no seu olhar, como você é perfeita. Meu Deus, como és linda! Parece até me apaixonei de novo!!!
    Se aquela história de que fantasmas são almas com questões pendentes for verdadeira, eu seria um deles. Preciso te ver, te ouvir, te admirar. Preciso falar-te do que penso, do que sofro, da maldita esperança.
    Não posso continuar assim... cada vez que – de alguma forma – penso em você, isso fica torna mais forte. Tão forte que não consigo pensar em conseqüências.
    Meu coração arde, estoura cada vez que penso em ti. Já desistiu de despedaçar-se, você não o vê pelo chão. Sempre chuta ou pisoteia. Não, agora ele quer gritar, quem sabe com gritos desumanos você possa escutar.
    As lágrimas que agora mancham esse papel não são vão, eu espero. Hoje era pra ser um dia feliz: minha apresentação deu certo, passei de ano, ta tudo dando certo. E mesmo assim estou sentindo essa coisa dentro do meu peito como uma bomba fazendo tic tac.
    Não planejava sentir essas coisas tão cedo e tão rápido. Mas agora eu já posso dizer em alto e bom som que te amo. Te amo e sou idiota. Sou idiota por sempre deixar você partir. Agora estou sentido a dor de ficar longe de quem amo. Que sorte, não?! Logo a primeira pessoa que realmente amo e já está assim.
    Não se surpreenda se eu te ligar do nada querendo ouvir sua voz que faz tão bem como mal. Mas acredite, não perderei mais oportunidades e na primeira vez que te vir falarei tudo o que preciso falar, assim não serei mais uma alma penada vagando com correntes nesse mundo escuro. E, por favor, não me tome como aquele que abriu as portas para os poemas tristes, mas como aquele que virou poeta depois que te conheceu.

    Com todo o amor que conheço,
    Thiago.

"Guardo para te dar
As cartas que eu não mando
Conto por contar
E deixo em algum canto"
Outras cartas não enviadas estão a disposição: Postagem Coletiva.
E gostaria de pedir desculpas, essa semana tenho estudado muito para uma prova e não pude postar outros textos. Sorte grande ser esse o tema dessa Postagem.