sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Doloroso momento


Do claro ao escuro,
Do teto ao chão.
Residindo na consciência,
Apoiada pela emoção... e culpando a razão.

Inesperada ela chega
Animada em sua tristeza
Um breve momento de fraqueza
E fere meu coração.
Engraçando como a insanidade
Matinha-me são.

"Chore!" aconselhavam-me os espelhos
"O sofrimento não passa
Se a fingida felicidade habita a sua face
Assim como a solidão habita o seu coração."

Reflexão e então,
Silenciosamente invadidos foram
Meu corpo e mente
Pelo doce ar da esperança:
Afinal, a mais linda flor
Nasceu nos mais difíceis tempos.

domingo, 8 de novembro de 2009

Lugares


Existe um lugar
onde nada me afeta.
Um lugar simples
que mau não há.

Os ventos batem,
Refrescam a alma.
Os pássaros cantam
Melodias de anjo.

Sonhamos, alcançamos.
Perderemo-nos no tempo
A noite nos tira do espaço.

Utopias que mesmo anjos caídos,
Ou lobos maus ou inocentes
Podem sonhar.