segunda-feira, 12 de outubro de 2009

De encontro ao desencontro

Eu jurei!
Prometi que não falaria mais
E, no entanto, cá estou eu,
Chorando,
Por ter estragado tudo de novo...
Babaca!

Como passar para singelas palavras
Como me sinto?
Numa dimensão estranha
Onde não existe Noite, Lua ou Mar...

Procuro o chão e nada encontro,
Procuro algo para me segurar
Mas desaparece como uma palavra ao vento.
Quero voar, mas não tenho asas.
Não sou desse mundo,
Nem daquele.

Mas penso no futuro.
E cada vez mais tenho medo,
E cada vez mais do passado sinto saudade.

Mas acho que é assim mesmo:
Erros maiores que acertos.
Futuro assustador,
Passado encantador.
Apoios fracos
E estradas...
Estradas que me levarão a algum lugar
Ou a lugar nenhum.